Mão de Obra é o principal fator para competitividade e rentabilidade: Capacitar é fundamental

Com o mundo em momento de grandes mudanças macro (econômicas, alfandegárias, tributárias, comerciais, produtivas, sociais, pessoais), chama a atenção o fato óbvio e fundamental que parece finalmente despertar nos Seres Empresas.

O fato é a descoberta de que são (como sempre foram no passado e que agora, depois das revoluções principais da história recente) os Seres Humanos que precisam ser os elementos fundamentais para a competitividade e a rentabilidade.

Este redescobrir, ainda que não ocorra de forma tão dinâmica e vibrante quanto a que hoje vivemos na economia e na tecnologia muito rapidamente vai se apresentando.

A notícia de hoje (vide abaixo as fontes) demonstra que finalmente é chegada a hora de investir no mais desafiador capital que toda e qualquer empresa (privada, mista ou pública) que quer se manter e crescer vai ter que se arriscar: o Ser Humano.

Para isto, paradigmas terão que ser eliminados e os principais gestores serão pressionados a admitir que sem conhecimento e capacitação de sua força de trabalho, continuarão a viver num mundo de ilusões e de desperdícios.

Parece algo impossível, dizem alguns deles…
Outros dizem:
“Eu não vou investir em capacitação de meus colaboradores e depois perdê-lo para o mercado.”

As desculpas são muitas…. e os prejuízos maiores (perda de mercado, desmotivação, gastos com materiais em excesso, com processos produtivos e administrativos mal dimensionados, falta de comprometimento, liderança pobre…).

Num Senso Macro, é importante frisar que o governo brasileiro necessita urgente avançar com a desoneração da Folha de Pagamento (difícil engolir algo em torno de 100% de repasse do privado para o público) entre outras iniciativas que possamos entender como um ajuste fino para esta nova realidade global, que não têm retorno nem garantias de estabilidade.
Assim, entre outras preocupações dos executivos, a principal é focada em Seres Humanos talentosos, qualificados e competentes.
E o caminho chama-se Capacitação.
Lembro que em uma empresa que trabalhei, no início de minha vida profissional, certa vez surgiu uma conversa entre direção e gerência, que me marcou profundamente.
a pergunta foi:

“E se seu funcionário ganhar mais que você?”

… paramos para refletir… 
e aguardamos a resposta do diretor…
que respondeu:

“Bem, se um funcionário ganhar mais que eu, vou ficar muito alegre!”

Estar alegre significa: maior competitividade e rentabilidade hoje e amanhã.
pense nisto… 
e comece a agir, pois 
Ser Humano capacitado é Ser Empresa valorizada

Assista vídeo com entrevistas do Prêmio Executivo de Valor 2012 (3m15s):
Valor Econômico: Prêmio Executivo de Valor
Para capacitação em Capital Humano, Capital Intelectual e Capital Imobilizado, acesse: Capacitação Profissional

Shine Your Nature!

#shineyournature   #fatorsyn!

 

PS: Se gostou, compartilhe com sua rede de contatos aí na empresa e nas redes sociais. Se tiver dúvidas ou queira compartilhar suas sensações, deixe seu comentário e conversamos. Syn! Vibro que aprecie muito!
Compartilhe:

1 comentário em “Mão de Obra é o principal fator para competitividade e rentabilidade: Capacitar é fundamental”

  1. realmente existem alguns pontos para refletir e muitos relatórios e gráficos para tentar entender o que é melhor entre: 1- Poucos empresários investem , preferem "roubar" os talentos dos concorrentes, então investir e formar ou "roubar", temos que avaliar se o resultado não é o mesmo !
    2- O Governo cada vêz mais é um ser arrecadador, portanto nunca haverá desoneração da folha sem uma contrapartida ( tem alguns " bobos " que pensam estar se beneficiando disso nesse momento, tenho pena deles, o tempo dirá!, sendo assim o que é melhor investir na m. o. e pagar melhores salários e consequente mais encargos ou pagar o famoso PF( tem muita gente fazendo isso a muito tempo e se dando bem ) !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *