Porque você precisa de mentor e instrutor para gerar resultados reais: histórias de valor

  • por

Dentre os desafios que todos nós enfrentamos, um dos mais valiosos é o de ser empreendedor e empresário neste país continental, de riquezas naturais abundantes e, um sistema de gestão governamental extremamente complicado e, para nosso desespero, que sofre mudanças constantes em suas políticas tributárias, entre outras.

Atualmente, julho de 2019, necessita-se de mais de 1.500 horas por ano, dedicadas a administrar somente esse ponto: tributos!!!

Assim, parabenizo a cada uma das pessoas que, mesmo com esse desafio (entre outros externos), parte em busca de transformar sonhos, habilidades e ideias em negócios. Me incluo nessa jornada.

A vida empresarial, independente de qual dos segmentos se aventure – indústria, comércio ou serviços – acontece com um balanço entre as atividades administrativas, financeiras e operacionais.

Estes formam o tripé da gestão, para realizar, manter e colher os resultados, que precisam demonstrar rentabilidade, caso se queira avançar ao longo do tempo. Se você, concordou até aqui, vamos avançar, pois quero compartilhar com vocês o conteúdo muito interessante de um livro que utilizei e, utilizo até hoje, para meus trabalhos de mentorias e capacitações.

Este livro traz em seus prefácios, informações que continuam válidas até hoje e, ao final, indico as datas respectivas, para que possamos refletir e avaliar ações futuras.  Procuro ser objetivo e fiz pequenas alterações, bem como respeitei o autor e a editora, até porque sou grande admirador deste trabalho. Segue o prefácio da sexta edição. Boa leitura, syn!

 

O objetivo principal é sugerir meios de se promover o cumprimento das metas da organização, melhorando a eficiência humana.

De acordo com esse objetivo, a evolução busca atualizar a abordagem para o projeto do trabalho e para os sistemas administrativos, que possibilitará aos objetivos da organização promoverem-se melhor, aumentará a utilidade do engenheiro de produção e induzirá maior satisfação e maior remuneração ao pessoal de chefia e supervisão pessoal e ao pessoal de produção – especialmente para o último grupo.

Novos conhecimentos extraídos das pesquisas das ciências sociais e comportamentais foram assimilados, interpretados e aplicados por administradores e engenheiros de produção, com grande proveito.

Reconhece-se que, apesar de ser o salário um estimulador poderoso, as pessoas são igualmente motivadas por outras coisas.

Desejam um trabalho significativo, oportunidades para desenvolverem seus talentos, aprenderem novas habilidades, progredirem através de melhores trabalhos, recebendo salários mais altos e assumindo maiores responsabilidades.

Além disso, reconhece-se  que as pessoas têm habilidade criativa e que usarão esta habilidade, agindo individualmente ou como membro de uma equipe, a fim de cumprirem as metas que ajudaram a estabelecer.

Resultados de várias pesquisas parecem indicar que os principais fatores que determinam a satisfação no trabalho são: realização, reconhecimento, o trabalho em si, responsabilidade e progresso. Se o administrador conseguir proporcionar um ambiente no qual esses fatores atuam de modo eficaz, o pessoal reagirá positivamente. Esses fatores são os motivadores. Por outro lado, os fatores de apoio incluem a política da empresa, supervisão, relações interpessoais e condições de trabalho. Tais fatores não são motivadores por si mesmos. Entretanto se esses fatores são razoavelmente satisfeitos, os motivadores diretos podem atuar mais eficientemente.

As necessidades exigidas para idealização e operação deste sistema de trabalho humano mais eficiente serão novas para muitas pessoas, e será preciso considerável tempo para serem entendidas e aceitas. A implementação pode tomar muitas formas diferentes. Não é preciso seguir nenhum sistema ou procedimento específico.

É a teoria lógica e a filosofia que são importantes não o mecanismo.

extraído da 6a. edição – Los Angeles – Califórnia – 1968

Vejam que a abordagem, apesar da data que indica mais de 50 anos… continua a ser o grande e presente desafio aí na sua empresa!!

E, como parte das mentorias que aqui ofereço, o elemento SER HUMANO é e sempre será, o principal personagem. Entramos na era da INDÚSTRIA 4.0 com uma ampliação significativa da TIC em todas as atividades que realizamos, independente da função. E teremos muitas atividades que hoje realizamos, sendo substituídas por robôs, certo? Porém, sempre haverá a interação humana, nem que seja para fazer um reset, ajustar os comandos dos hardwares ou corrigir os programas de softwares, para melhorias pontuais. E isso é uma realidade (ponto)

Vamos prosseguir então… voltemos ao livro:

A tendência atual para o aumento da eficiência em todos os tipos de trabalho despertou interesse generalizado no estudo do movimentos e de tempos. Onde quer que se execute trabalho manual, existe sempre o problema de se encontrar o meio mais econômico de se executar a tarefa e, após isso, de se determinar a quantidade de trabalho que deve ser executada em um dado período de tempo.

Geralmente, isso é acompanhado por algum plano de incentivo salarial. O estudo de movimentos e de tempos fornece uma técnica para se determinarem os métodos mais econômicos e para se medir o trabalho executado.

Os termos ¨estudo de tempos¨ e ¨estudo de movimentos¨ têm recebido diversas interpretações desde sua origem. O estudo de tempos, introduzido por Taylor, foi usado principalmente na determinação de tempos padrões; o estudo de movimentos, desenvolvido pelo casal Gilbreth, foi empregado na melhoria de métodos de trabalho.

Com  isso, desenvolveu-se o ¨estudo de micro-movimentos¨ que pode ser usado com duas finalidades:

(1) encontrar o método mais eficiente de se executar uma operação e,

(2) treinamento de indivíduos para compreender o significado do estudo de movimentos e, quando aquele for suficientemente detalhado, fazer com que as pessoas se tornem capazes de aplicar eficientemente os princípios de economia dos movimentos.

Dessas duas finalidades, a segunda é realmente a mais importante. E, pressupõe a compreensão das capacidades e habilidades inerentes ao corpo humano.

Todo estes trabalhos e estudos são feitos por engenheiros, fisiólogos e psicólogos e, os diversos comentários recebidos de pessoas que usaram a edição mimeografada, indicam que este material servirá não somente como texto em escolas técnicas e universidades, mas também como manual em fábricas, lojas, hospitais, residências, fazendas. etc.

extraído da 1a. edição – Iowa – março de 1937

Reparou que a 1a. edição completou 82 anos ….

Novamente reforço que, não podemos evitar a evolução da informática. Mas, com certeza, para que se possa conseguir atingir os resultados positivos de seu negócio, será preciso adicionar mais competências na realização das atividades organizacionais e isso, somente será possível se você, empresário e empresária, investir na capacitação de seus funcionários.

E por isso, convido-os a acessarem as mentorias e os cursos em formato EAD que ofereço pela plataforma FatorSyn!

São desenvolvidos com experiências e vivencias reais e, principalmente, dirigidos para aplicações práticas imediatas, durante a prestação dos serviços e mais, que se tornem hábitos para elevar as habilidades e aptidões, valorizando seu investimento e trazer balanço harmônico e fluidez ao seu negócio.

Esse é meu compromisso. Menos que isso não interessa.

Para escolher a mentoria acesse: https://fatorsyn.com.br/

Para escolher o treinamento acesse: https://ead.fatorsyn.com.br/

Para consultoria e palestras, entre em contato.

Estou à sua disposição, entre em contato e vamos começar. Agora!

Shine Your Nature!

#shineyournature

Fonte: livro Estudo de Movimentos e de Tempos: projeto e medida do trabalho – Tradução da 6a. edição americana – Ralph M. Barnes – Editora Edgard Blücher Ltda. – original: 1968 – edição de 1977

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *